Em comemoração ao Dia Internacional da Amizade a Secretaria Municipal de Assistência Social – SEMAS, através do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV, realizou na manhã dessa segunda-feira, 20 de julho, a entrega de lembrancinhas para os idosos que compõem o grupo da terceira idade do CRAS.

As atividades presenciais com o grupo foram suspensas desde o início da quarentena causada pelo Novo Coronavírus, objetivando a proteção dos idosos que se encontram na zona de risco e evitando a proliferação do vírus, desde então os profissionais da área passaram a realizar o atendimento remoto (via aplicativos de mensagens).

Devido ao elevado índice de mortalidade por COVID-19 entre os idosos, o grupo é, possivelmente, o que mais sofre com o confinamento social. Buscando aliviar esses danos, selecionamos uma matéria do site “Uol: Viva Bem” que trata dos erros involuntários que cometemos para como os idosos durante a quarentena e que lhes afetam físico e psicologicamente. Segue:

  1. Mentir: Inventar histórias — como dizer que o idoso será preso ou multado se sair na rua — pode parecer uma solução fácil, mas tem consequências psicológicas muito negativas, segundo a psicóloga especialista em gerontologia Valmari Aranha, professora no Centro Universitário São Camilo. “A mentira pode causar perda de confiança: o idoso que é enganado hoje pode duvidar, futuramente, da comunicação de um diagnóstico, por exemplo”, diz. É importante entender que, nesse momento em que somos bombardeados por informações de todos os lados, não expor o idoso a histórias falsas também é uma forma de cuidado;
  2. Tratá-lo como incapaz: Abordar o isolamento não apenas como uma maneira de proteger a si mesmo, mas também de contribuir para a saúde pública e toda a família, é uma maneira de mostrar que o idoso não está passivo diante da pandemia, que também tem responsabilidade nesse batalha. “O isolamento é uma escolha em prol da vida, da própria, das pessoas queridas e da sociedade”;
  3. Poupá-lo da realidade: Na tentativa de não querer impressionar o idoso ou de evitar que ele fique ansioso com as notícias, muitos tentam ocultar a gravidade da pandemia. No entanto, para a própria segurança da pessoa, é importante que ela saiba os motivos do isolamento e o real risco de morte caso o sistema de saúde não consiga atender todos os casos que precisem de internação;
  4. Repassar notícias que estimulam o pânico: É possível falar sobre hábitos de proteção e explicar por que cuidados são necessários nesse momento sem cair no excesso de informação. Por exemplo: revelar que em diversos países as pessoas estão resguardadas em sua casa para não ficarem doentes é uma notícia que pode fazer com que o idoso entenda a gravidade da situação. Você não precisa gerar pânico e comentar sobre os corpos sendo empilhados na Itália para convencê-lo a ficar em casa. Além disso, seja em casa, seja por telefone, é possível conversar sobre outros assuntos além da pandemia. Falar sobre o dia, contar o que está fazendo na quarentena e dividir pensamentos são formas de mostrar proximidade;
  5. Sugerir tarefas improdutivas para ocupar o idoso: Tentar entreter o idoso com tarefas inúteis para passar o tempo dentro de casa pode contribuir para deixá-lo mais ansioso. “Incentive-o a cuidar de plantas ou realizar tarefas domésticas que realmente são necessárias. Jogos de tabuleiro que estimulam a mente também são alternativas melhores que apenas ver televisão ou fazer tarefas que ele percebe que não adiantam, como dobrar roupas esquecidas no armário”.
  6. Confundir isolamento com abandono: “Não poder entrar em contato próximo com os filhos e netos não significa não vê-los ou não conversar com eles. As pessoas podem e devem sempre se falar sempre por telefone e aplicativos e, se possível, até mesmo se verem à distância”.

Para ler a matéria na íntegra acesse o link: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/04/03/coronavirus-evite-estes-6-erros-ao-cuidar-de-idosos-durante-o-isolamento.htm.

Por fim, ressalvamos que todo o trabalho foi realizado seguindo as orientações do Decreto Municipal, com o uso adequado de máscaras, aplicação de álcool em gel 70 nas mãos e respeito à política de distanciamento social.

Fotos e Texto: Secretaria Municipal de Assistência Social.

Sem comentários.

Deixe um comentário

O e-mail não será publicado. Requerido(*).

14 − dois =