Vem aí: 1º Seminário Intermunicipal de Proteção dos Recursos Hídricos da Sub Bacia Rio Candeias

No dia 16 de março acontece o 1º Seminário Intermunicipal de Proteção dos Recursos Hídricos da Sub Bacia Rio Candeias.

Organizado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos de Buritis – AGERB – em parceria com a Prefeitura Municipal de Buritis e a Prefeitura de Campo Novo de Rondônia, o evento tem o objetivo de debater politicas de proteção dos recursos hídricos da região, com ênfase no Rio Candeias, um importante rio rondoniense que nasce no território de Campo Novo e é responsável pelo abastecimento de água do município vizinho, Buritis.

Essa iniciativa surgiu em resposta à preocupação gerada pela forte baixa do Rio Candeias durante a temporada de seca, em 2019.

O evento, que faz parte da 2ª Semana da Água – “Água é vida”, acontece no Auditório da Associação Comercial e Industrial de Buritis – ACIB – com entrada franca, a partir das 09 horas do dia 16 de março.

“Falar sobre nossos recursos hídricos é de extrema importância, uma vez que alguns dos principais rios do nosso Estado nascem em Campo Novo”, disse a Prefeita Valdenice Domingos Ferreira, a Val, “não podemos ser negligentes com a responsabilidade que temos em proteger algo tão importante”.

Texto: Thiago Laurencio – Assessoria de Imprensa e Comunicação.

Fomento: Prefeitura de Campo Novo participa do 2º Encontro Estadual de Turismo

O 2º Encontro Estadual de Turismo aconteceu durante os dias 23, 24 e 25 de Outubro no Município de Cacoal e juntou Prefeitos, Secretários e empresários ligados ao Turismo em Rondônia.

Com 3 dias de duração e uma extensa grade de palestras e debates, o encontro teve o objetivo de fomentar o turismo regional através da capacitação de Municípios e empresas que atuam ou pretendem atuar no ramo.

Catiele Oliveira, servidora da Secretaria Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo (SEAMAT) de Campo Novo, representou a Prefeita Valdenice Domingos e o Secretário da SEAMAT Moisés Oliveira no evento.

Turismo em Campo Novo

Com belezas naturais raras, Campo Novo foi inserido recentemente no Mapa Turístico de Rondônia e conta com um projeto, já em andamento, para a regularização e a exploração sustentável do Ecoturismo Regional.

Para isso, diversos órgãos e entidades estão reunidos para garantir o crescimento da economia local, a partir da abertura desse novo ramo de negócios, mas sem prejudicar a Biodiversidade.

Por Thiago Laurencio – Assessor de Imprensa e Comunicação.

QUEIMADA É CRIME! DENUNCIE!

Somos cientes que queimar resíduos ou vegetação sem autorização é crime.

A legislação brasileira conta com inúmeras leis e regulamentações que regulam o uso do fogo. O descumprimento de tais normas se enquadra em crime ambiental passível de multa e prisão. Quando falamos em uso do fogo indevidamente não falamos apenas em queimadas na zona rural, mas qualquer prática de queima seja na zona rural ou urbana.

Mesmo correndo o risco de sofrerem punições, muitas pessoas ainda não tomaram conta do risco que é usar o fogo indevidamente. Talvez por falta de entendimento quanto à todas as consequências que tal ato provoca. Além do risco de tomar multa ou punições mais severas, existem inúmeros malefícios que a fumaça traz para a saúde humana, como complicações nas vias respiratórias, rinite, asma, bronquite, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), doenças cardiovasculares, insuficiência respiratória, pneumonia e até câncer.

A inalação da fumaça traz malefícios a curto e longo prazo dependendo da quantidade de fumaça inalada. Para os idosos e recém-nascidos o risco é muito maior.

Além da fumaça afetar nossa saúde, também afeta a saúde de fauna e flora. Os animais sejam domésticos ou selvagens também sofrem com os problemas de se respirar fumaça. Além do mal de se respirar a fumaça, muitos animais e plantas acabam sofrendo contato direto com as chamas, onde acabam por perder a vida.

Nos casos de espécie em risco de extinção a cada morte as chances de se extinguir aumenta. Além disso ainda se corre o risco de o fogo alcançar uma pastagem com gado em que além de se perder a pastagem ali cultivada o gado presente pode vir a óbito. Além dos problemas causados à vida, existem também os prejuízos financeiros que o fogo pode provocar. Quando o uso do fogo não é controlado o risco de se colocar fogo em lugares de alto valor e importância como residências, lavouras e pastagem é alto.

No caso de queima de pastagem com fins de reformá-lo é necessário esclarecimentos aos donos das propriedades rurais quantos as consequências provocadas pela queima da pastagem velha, como destruição dos nutrientes fundamentais para qualquer cultura vegetativa, como o potássio, fósforo e nitrogênio, morte de microrganismos que auxiliam no desenvolvimento do capim, redução da umidade do solo levando a sua compactação, desencadeio do processo erosivo e outras formas de degradação do solo, aumento da liberação de dióxido de carbono (uma das principais causas do aquecimento global), polui e destrói nascentes, águas subterrâneas e rios, destrói habitats naturais, aumento da acidez da terra, além da alta quantidade de fumaça lançado no ar que viaja por quilômetros provocando transtornos por onde chega.

Somente quando a população estiver por inteiro consciente da importância de se preservar o meio ambiente alcançaremos a sustentabilidade.

Queimada é Crime! Denuncie! Telefone para denuncias: (69) 3239-2478.

Oportunidade: Abertas as inscrições para cursos na área de Turismo em Campo Novo

O Governo do Estado de Rondônia, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), trazem para Campo Novo de Rondônia dois cursos na área de turismo.

Estão sendo ofertados dois cursos, “Monitor de Turismo” e “Qualidade no Atendimento Turístico”, com 28 vagas para cada um.

As aulas acontecerão na Escola 15 de Outubro, no período noturno, com uma carga horária de 40 horas/aula. Para se inscrever, o interessado deve ter 18 anos completo e ter cursado pelo menos até o 6º ano do Ensino Fundamental.

As inscrições acontecem até o dia 04 de outubro na secretaria da Escola 15 de Outubro.

Para se inscrever é necessário apresentar cópia (xérox) dos seguintes documentos:

  • RG
  • CPF
  • Comprovante de residência
  • Comprovante de escolaridade

Importante ressaltar que as vagas são LIMITADAS, portanto os interessados devem procurar a secretaria da Escola 15 de Outubro o mais rápido possível.

Dúvidas ou mais informações podem ser sanadas no local de inscrição.

Secretaria de Meio Ambiente realiza palestra de conscientização com crianças do Bairro Nova Vida

A Secretaria Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo de Campo Novo de Rondônia realizou na ultima quinta-feira, dia 12, uma palestra de conscientização com o tema “Lixo”.

Realizada no Conjunto Habitacional do Bairro Nova Vida, a palestra era direcionada a crianças do Escolinha de Futebol do Professor Erlei mas os alunos estenderam os convides aos amigos, pais e vizinhos, resultando em um grane publico.

O tema “Lixo” foi debatido com as crianças de forma lúdica, conversando sobre os diferentes tipos de lixo, lixo reciclável e não-reciclável, como fazer a separação e até mesmo os serviços de coleta de lixo em Campo Novo e a destinação do material coletado.

A palestra foi organizada e apresentada pelos servidores da SEAMAT, Tamires da Silva, Catiele Oliveira, Josilane Pinto e Marionildo Landinho.

Por: Thiago Laurencio – Assessor de Imprensa e Comunicação!

Meio Ambiente: Prefeita Val recebe servidores da SEDAM

A Prefeita de Campo Novo de Rondônia, Valdenice Domingos Ferreira, popular Val, recebeu durante a manhã desta quinta-feira, dia 22, um grupo de servidores da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (SEDAM).

A pauta da reunião foi a reativação do Conselho Consultivo do Parque Estadual de Guajará-Mirim, uma grande área de proteção ambiental que abrange áreas dos municípios de Buritis, Guajará-Mirim, Nova Mamoré e Campo Novo de Rondônia.

A equipe da SEDAM está realizando essas reuniões nos quatro municípios que possuem áreas de proteção ambiental englobados no referido parque, pois esses municípios tem direito a indicar integrantes para o conselho consultivo.

Além de representantes das prefeituras municipais e secretarias de meio ambiente de cada município, o conselho permite também a participação de representantes das câmaras municipais e de cooperativas ou associações que representem segmentos como agricultura, mineração e outras áreas de exploração ambiental direta ou indireta.

O conselho consultivo do Parque Estadual de Guajará Mirim já esteve em pleno funcionamento e atualmente se encontra paralisado. A intenção da secretaria é reativar o mesmo para assim tomar decisões mais eficazes quanto a gestão do referido parque.

Além da Prefeita Val, a reunião contou também com a participação do Secretário Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo, Moises Ferreira Oliveira Filho, do Chefe da Divisão de Fomento (SEDAM), Osvaldo Castro de Oliveira, do Gerente de Proteção e Monitoramento de Unidades de Conservação (SEDAM), Luiz Carlos Mareto, da Chefe da Divisão de Implantação de Conselhos (SEDAM), Rosalina Santos Dias e do Gerente Regional de Gestão Ambiental da SEDAM em Guajará Mirim, Sidny Frazão de Almeida.

Thiago Laurencio – Assessoria de Imprensa e Comunicação.

Prefeitura de Campo Novo de Rondônia.

Delegação de Campo Novo participa do V Seminário Internacional Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia

Aconteceu durante os dias 14, 15 e 16 de agosto, no município de Porto Velho, o V Seminário Internacional Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia.

Ao todo, foram 14 palestras e cinco mesas redondas, distribuídos durante os três dias de evento, com a participação de organizações do terceiro setor, entes públicos e privados com atuação no sudoeste da Amazônia em projetos voltados ao desenvolvimento regional, conservação da biodiversidade e mitigação das mudanças climáticas.

Entre os temas que foram discutidos, estiveram redes de articulação, conservação da biodiversidade, desenvolvimento econômico, povos tradicionais, mitigação climática e tecnologias, sempre ligando esses pontos as formas de uso e ocupação dos solos na Amazônia.

Os representantes de Campo Novo de Rondônia, enviados pela Secretaria Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo (SEAMAT), foram o Secretário Moises Ferreira Oliveira Filho, o fiscal ambiental Marionildo de Almeida Landinho e a agente administrativa Catieli Oliveira de Sousa.

O Seminário

O Seminário foi uma realização do Centro de Estudos Rioterra, executora do projeto Semeando Sustentabilidade, que tem o patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental e contou com a participação de várias instituições como a Ação Ecológica Guaporé – Ecoporé (RO), SOS Amazônia (AC), Universidade Federal do Paraná – UFPR (PR), Ministério do Meio Ambiente – MMA (DF), Latin America Forum Berlim – LAF (Alemanha), Biofílica (SP), Associação de Desenvolvimento Rural de Juruena – Aderjur (MT), Jabuti Filmes (RJ), Operação Amazônia Nativa – OPAN (AM/MT), Instituto Federal de Rondônia – IFRO (RO), Pacto das Águas (RO) e Energy Transition (Alemanha).

O projeto Semeando Sustentabilidade nasceu da proposição do Centro de Estudos da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia – Rioterra em parceria com a Universidade Federal de Rondônia-UNIR, Prefeitura de Itapuã do Oeste e Instituto Chico Mendes, representado pela gerência da Floresta Nacional do Jamari.

Devido a sua implementação e importância para região no tocante a conservação da biodiversidade e fixação de carbono, o projeto foi renovado em 2018. O projeto é realizado nos municípios de Porto Velho, Candeias, Itapuã do Oeste, Rio Crespo e Cujubim/RO, tem a pretensão de envolver e impactar positivamente os setores público e privado, bem como atores das zonas rural e urbana, beneficiando-os com a recuperação de áreas degradadas e/ou alteradas, fortalecimento das organizações sociais, inclusão de gênero, assessoria técnica e extensão rural para agricultores familiares e cadastramento ambiental rural/CAR para que se regularizem ambientalmente.

O projeto trabalho muito em cima da educação ambiental, comunicação, produção de mudas e recuperação de áreas degradadas.

Eventos como este incentivam e instruem como desenvolver trabalhos ambientais de maneira a balancear o desenvolvimento econômico e social com a conservação ambiental.

Com informações de SEAMAT.

Thiago Laurencio – Assessor de Imprensa e Comunicação.

SEAMAT alerta: Além de perigoso, queimada de lixo é crime ambiental

O ato de queimar lixo no quintal de uma residência, considerado inofensivo por muitas pessoas, consiste em um grande perigo para sociedade.

Vários incêndios começaram com uma simples queima num terreno baldio ou no quintal de casa e acabaram consumindo casas e até vidas, sendo a principal consequência deste crime.

“Incêndios classificados como de grande proporções podem ceifar vidas. É necessário a ajuda do cidadão camponovense para não utilizar fogo em suas atividades de limpeza de terreno ou redução de lixo”, explicou o Fiscal Ambiental, Marionildo Landinho.

Crime Ambiental

Conforme o artigo 161 da Lei 771, de setembro de 2017, ficam vedada a queima ao ar livre de materiais que comprometam, de alguma forma, o meio ambiente ou a sadia qualidade de vida; caracteriza-se como crime ambiental, definido no artigo 41 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.605.

Aqueles que provocarem incêndios ficam sujeitos a pena de dois a quatro anos de reclusão.

Caso o incêndio coloque em risco a vida, a integridade física ou o patrimônio, a pena sobe para três a seis anos de reclusão. Há ainda a possibilidade do recebimento de multas. Neste caso, a pessoa pode sofrer um auto de infração que vai de R$ 266,45 até R$ 5,329 milhões de reais.

Saúde em risco

Em relação à saúde da população, vale ressaltar que os segmentos mais atingidos são os idosos e as crianças, que são acometidas por doenças respiratórias como bronquite, pneumonia e tosse seca, além da conjuntivite e doenças de pele.

Servidores de Campo Novo participam do I Fórum Internacional de Turismo do Vale do Jamari

Uma Comitiva de servidores de Campo Novo de Rondônia participou, durante a ultima quinta-feira, dia 11, do 1º Fórum Internacional de Turismo do Vale do Jamari.

O curso foi organizado pelo SEBRAE em parceria com o Projeto Líder Vale do Jamari, e outros órgãos governamentais, com o objetivo de instruir e capacitar servidores, lideranças, empresários e comunidade da Região do Vale do Jamari sobre a importância do turismo sustentável para o desenvolvimento regional.

Ao todo, foram promovidas duas palestras e uma mesa redonda com profissionais renomados a nível mundial, sendo a primeira com o tema “A EXPERIÊNCIA DO TURISMO SUSTENTÁVEL NA COSTA RICA”, ministrada pela Representante do Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza (CATIE) e Reitora da Universidade de Cooperação Internacional em Bacalar, Sra. Lorena San Román Johanning.

A segunda palestra teve o tema “PERU – UM DESTINO DE EXPERIÊNCIA” ministrado pela Diretora de Turismo e Imagem do Escritório Comercial do Peru no Brasil, Sra. Milagros Ochoa Koepke.

E por ultimo, mas não menos importante, a mesa redonda com o tema “O TURISMO COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL” com a participação do Assessor de Imprensa da Associação Comercial e Industrial de Ariquemes, Luiz Martins, e outros profissionais.

A Prefeita de Campo Novo, Valdenice Domingos, participou do evento assim como o Secretário Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo, Moises Ferreira de Oliveira, o Diretor do Departamento de Turismo, Gustavo Marques, o Diretor do Departamento de Meio Ambiente, Marcos Bastos, a Gerente de Fomento a Projetos Agrícolas, Tamires da Silva, a Coordenadora da Estação de Tratamento de Aguas, Catieli Oliveira, o Fiscal Ambiental, Marionildo Landinho, e o Agente Administrativo da SEAMAT, Gabriel Eloy.

Thiago Laurencio – Assessor de Comunicação e Divulgação

SEAMAT assume coordenação do Programa de Aquisição de Alimentos em Campo Novo

A Secretaria Municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo assumiu a coordenação do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) no Município de Campo Novo de Rondônia.

O PAA é um programa do Governo Federal que utiliza recursos do Ministério do Desenvolvimento Social para incentivar a agricultura familiar e assistir entidades públicas e filantrópicas através do apoio ao fornecimento de uma alimentação de qualidade a pessoas carentes e crianças da rede de ensino público.

Antes da SEAMAT, o PAA de Campo Novo estava sob a coordenação da EMATER.

Com a transferência, os servidores Tamires da Silva e Gustavo Marques passaram a coordenar todo o processo de aquisição, recebimento e entrega dos alimentos. Ao todo, são 7 produtores rurais cadastrados que fornecem diferentes tipos de alimentos que são distribuídos para 5 entidades do município, sendo: Escola Municipal Cassiano Ricardo, Escola Estadual 15 de Outubro, Creche e Escola Municipal de Ensino Infantil Paulo Coelho, Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e Hospital de Pequeno Porte (HPP).

Por estar ainda em fase de teste, o PAA 2019 fornecerá alimentos durante os meses de Junho, Julho e Agosto e após isso passara por uma avaliação para verificar se continuará sob coordenação do município.

“Esse programa é muito parecido com o Programa Nacional de Alimentação Escolar, do Ministério da Educação, e trás tanto benefícios às instituições que recebem o alimento quanto aos produtores que tem garantida a compra de parte de sua produção, incentivando e fomentando a economia local”, disse a Gerente de Fomento de Projetos Agrícolas e Coordenadora do PAA, Tamires da Silva.

A Equipe da SEAMAT já realizou o repasse dos primeiros alimentos recebidos.

O que é o PAA?

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), criado pelo art. 19 da Lei nº 10.696, de 02 de julho de 2003, possui duas finalidades básicas: promover o acesso à alimentação e incentivar a agricultura familiar.

Para o alcance desses dois objetivos, o programa compra alimentos produzidos pela agricultura familiar, com dispensa de licitação, e os destina às pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional e àquelas atendidas pela rede socioassistencial, pelos equipamentos públicos de segurança alimentar e nutricional e pela rede pública e filantrópica de ensino.

O PAA também contribui para a constituição de estoques públicos de alimentos produzidos por agricultores familiares e para a formação de estoques pelas organizações da agricultura familiar. Além disso, o programa promove o abastecimento alimentar por meio de compras governamentais de alimentos; fortalece circuitos locais e regionais e redes de comercialização; valoriza a biodiversidade e a produção orgânica e agroecológica de alimentos; incentiva hábitos alimentares saudáveis e estimula o cooperativismo e o associativismo.

O orçamento do PAA é composto por recursos do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

A execução do programa pode ser feita por meio de seis modalidades: Compra com Doação Simultânea, Compra Direta, Apoio à Formação de Estoques, Incentivo à Produção e ao Consumo de Leite, Compra Institucional e Aquisição de Sementes.

O programa vem sendo executado por estados e municípios em parceria com o MDS e pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O PAA foi instituído pelo art. 19 da Lei nº 10.696, de 02 de julho de 2003, no âmbito do Programa Fome Zero. Esta Lei foi alterada pela Lei nº 12.512, de 14 de outubro de 2011 e regulamentada por diversos decretos, o que está em vigência é o Decreto nº 7.775, de 4 de julho de 2012.

O programa é uma das ações do governo federal para a Inclusão Produtiva Rural das famílias mais pobres.

Thiago Laurencio – Assessor de Imprensa e Comunicação